Internetês: o futuro da linguagem

Um grande debate da atualidade é sobre a linguagem utilizada pelos jovens em mensagens de texto via celulares e no computador. Dizem que o uso de “vc” ao invés de “você”, empobrece nossa língua. Isto é verdade? Creio que não.
Por que nós nos comunicamos? Por que escrevemos? A comunicação é um modo de se colocar pra fora aquilo que está dentro de nós. Falamos para nos sentir melhor, para fazer os outros sentirem-se melhor, para mostrar aos outros aquilo que você descobriu, etc. O mesmo acontece com a escrita, porém de forma mais preservadora.
Como é óbvio – o que não desmerece o fato – o objetivo da linguagem é a comunicação, não a arte. Não importa a forma, o que importa é conseguir passar sua ideia adiante.
Também é importante lembrar que ao escrever em “internetês”, estaremos utilizando de uma forma mais fácil e rápida para o mesmo propósito. É claro que pode haver alguns problemas semânticos, mas é interessante notar que os próprios jovens corrigem esses problemas. Quando veem que um termo se
confunde com outro, eles logo o alteram.
O uso de uma linguagem jovem permite maior presença do movimento e do pensamento jovem na sociedade. Se um jovem escreve do seu jeito e não do jeito dos mais velhos, ele está exercendo sua humanidade e identidade, sendo quem ele é, não quem a sociedade quer que ele seja.
O internetês ameniza os problemas de regionalismo na escrita. Com a simplificação, há, por motivos lógicos, uma diminuição das diferenças regionais de linguagem. Ao invés de se usar seis letras para se falar uma palavra, usa-se duas, por exemplo.
É claro que o internetês tem seus pontos negativos, como foi dito, mas temos que parar de ser tão conservadores e nostálgicos e abrir a mente para o bom. O internetês cumpre – talvez até melhor – o objetivo de se comunicar, é mais prático, tira dos velhos um pouco do monopólio do poder e ameniza problemas de comunicação. Como disse Ludwig Wittgenstein: “
As fronteiras da minha linguagem são as fronteiras do meu universo.”

Imagem: http://ruquers.blogspot.com.br/2011/04/por-favor-alguem-assassine-o-internetes.html

Núvem e desuso de papel: o futuro da tecnologia

Imagem: Apple

As pessoas se perguntam qual será o futuro da tecnologia. É difícil prever. Como Jobs disse: “as pessoas não sabem o que querem até você mostrar a elas”.

Porém, a tecnologia avança para a sincronização/integração/armazenamento virtual de dados (núvem) e, por conseguinte, o desuso do papel.
Hoje é possível armazenar seus dados na própria Internet, utilizando programas de armazenamento como o iCloud, Google Drive, Skydrive, etc. Além disso é possível sincronizar diversas coisas, como notas (vide programas como Evernote), utilizar redes sociais sincronizadamente (como usar o Facebook no celular e no computador) e etc.
Talvez isso tudo tenha surgido com o advento do e-mail. Quem nunca enviou pra si mesmo um e-mail para ter certo arquivo?
Talvez isso tenha surgido a partir do iTunes e iCloud. Muitos usuários da Apple tinham o problema de ter que pagar mais de uma vez pelo mesmo produto, ora no seu computador, ora no seu celular. Para solucionar isso, a Apple lançou o iCloud, que além de solucionar esse problema, tem diversos outros fatores positivos. “O iCloud armazena o seu conteúdo e permite que você acesse suas músicas, fotos, calendários, contatos, documentos e mais, de qualquer dispositivo. E ele está em todos os novos dispositivos com iOS e em cada Mac novo” (site da Apple).
Isso é a núvem. Provavelmente ela vai se desenvolver mais (no caso da Apple, talvez nem precise muito) e usaremos, por consequência de tanta facilidade, menos papel.
Creio que os sistemas operacionais estão se “applelizando”, o que é algo muito bom, como é possível ver pelo sucesso da empresa e por sua qualidade excepcional.
Há também uma certa interligação entre os sistemas. Para Android (Google), além de poder utilizar o Google Drive, você pode utilizar o Skydrive (Microsoft). Isso é bom, pois você pode utilizar um computador com Windows e um celular com Android e ter uma sincronização entre eles.
Isso tudo poderia ser mais forte no Brasil se o custo do serviço fosse mais baixo e a velocidade da internet fosse melhor.
Essa tecnologia, iniciada principalmente pela Apple é incrível e com muitas consequências positivas, ao contrário do que se diz por aí. Ela torna a vida mais fácil, mais criativa, mais rápida e o acesso ao conhecimento se dá muito melhor.
Outra coisa relacionada a isso, é a evolução do tipo de ensino nas universidades. Nos EUA está surgindo muitos cursos online e de graça de excelente qualidade e graças a essa tecnologia. Espero que isso chegue logo ao Brasil.

Crianças de hoje vs crianças de antigamente

As pessoas tem uma grande mania de falar que tudo antigamente era melhor, numa nostalgia que pode ser muito prejudicial. Tudo pode melhorar ou piorar.
É fato que a tecnologia pode prejudicar algumas coisas da nossa vida, tais como: convivência, saúde, etc. Mas por outro lado a tecnologia ajuda a nossa convivência pois podemos conversar com diversas pessoas ao mesmo tempo de forma nunca antes imaginada. E a tecnologia também ajuda a desenvolver tratamentos para doenças e etc., melhorando a saúde.
Vamos focar nos aspectos positivos da tecnologia. Ela não é um grande monstro, ela nos ajuda a obter e espalhar conhecimento e muitas outras coisas.
Pensem no meu ato atual de estar escrevendo este texto. Seria muito “pior” para o conhecimento se essa tecnologia não existisse.
Enfim, existem muitos fatores posivitos para a tecnologia. O que quero aqui é deixar a mensagem de que as coisas atuais não são necessariamente ruins. Abram a mente!

Um pouco de tudo

Eu estava cheio de ideias até agora, pensei em fazer vários posts e por fim decidi fazer só um, tentando resumir tudo, mas acabei esquecendo um pouco o que queria dizer (risos). Mesmo sem saber direito, vou tentar. As ideias vêm de forma incrível em minha mente – assim como estão vindo agora.
Eu estou meio que numa crise existencial. O que devo fazer? Por que não me entendo nem entendo o mundo? Por que devo perguntar “por que”? Etc.
Sinceramente, eu acho que tudo pode estar certo ou errado, inclusive isto. Essa foi uma frase que resume tudo, mas não ajuda muito.
O Ocidente é muito focalizado na razão, enquanto os orientais vivem mais pela intuição/experiência e tenho certeza de que eles estão melhores que nós.
Será que estou fazendo o certo? Por que às vezes não consigo fazer o que quero? Acho que a razão não pode responder às nossas questões, mas a intuição sim. Nós estamos em nós mesmos, não em algo criado por nós.
Nós criamos a razão, ela é algo inata. O que quero dizer é que não vamos nos descobrir usando algo que criamos. Somente vamos nos descobrir usando nós mesmos.

Um ano sem Jobs

Há exato um ano, morreu Steve Jobs, um dos maiores (se não o maior) gênio da humanidade. Só temos computadores, música, internet e muitas coisas da tecnologia como temos graças a ele.
Steve criou a minha empresa favorita e foi bom o suficiente para que quando morresse, deixasse a empresa em boas mãos.
Ele tinha seus defeitos: era arrogante, etc. mas via tudo com outros olhos. Ele aprendeu a usar mais a intuição e a experiência ao invés da razão – que segundo ele (e eu concordo) é algo inato. Além de tudo, se ele queria fazer algo, ele conseguia. Ele conseguia até mesmo fazer com que os outros fizessem o que ele queria, o que foi chamado de distorção da realidade.
Creio que falei basicamente o mais importante a ser lembrado sobre ele. Ele foi um gênio e com muitas qualidades que devíamos seguir.